Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Processo Eletrônico > Biodiversidade Aquática
Início do conteúdo da página
Biodiversidade Aquática

Biodiversidade Aquática (49)

Biodiversidade Aquática é um termo abrangente que considera tanto o conjunto dos ecossistemas aquáticos continentais, costeiros e marinhos como os seres vivos que vivem ou passam parte de seu ciclo biológico nestes ambientes. Parte destes organismos vivos, como peixes, moluscos, crustáceos e algas é considerado como " recurso pesqueiro" uma vez em  que são alvo da atividade pesqueira.

Embora a distribuição geográfica dos ambientes aquáticos não seja uniforme, eles estão presentes em todos os biomas brasileiros. Além disso, são diversos os interesses pelo uso da biodiversidade aquática ou dos recursos hídricos, cuja quantidade e qualidade são fundamentais para a manutenção da dinâmica destes ecossistemas.

A água é a base da vida conferindo um valor intrínseco aos ambientes aquáticos. Assim, as diretrizes, ações e políticas devem ser transversais não apenas geograficamente , mas setorialmente.

Reconhecendo a importância, fragilidade e transversalidade do tema foi criada a Gerência de Biodiversidade Aquática e Recursos Pesqueiros que tem como missão definir políticas públicas de conservação e uso sustentável da biodiversidade aquática no Brasil. Para tanto, contamos com diversos parceiros e com a importante execução dos institutos vinculados como o IBAMA e o ICMBio e, no caso específico dos recursos pesqueiros, trabalhamos lado a lado também com o Ministério da Pesca e Aquicultura.

Dentre as ações em execução, destacam-se aquelas de coordenação da implementação da Convenção de Zonas ùmidas de Importância Internacional - Convenção de Ramsar; as de conservação de alguns ecossistemas considerados como berçários e também com alta produtividade da zona costeira e marinha, tais como os recifes de coral e os manguezais; as ações integradas de conservação e uso sustentável dos recursos pesqueiros, além do desenvolvimento da vertente ambiental do Programa Antártico Brasileiro.

Dessa forma, nossa intenção é divulgar curiosidades e levar até você algumas informações sobre os programas e ações, esperando ganhar mais um parceiro para a conservação da biodiversidade aquática brasileira.

Quinta, 03 Maio 2012 14:49

MMA na Antártica

Ao ratificar o Tratado da Antártica, o Brasil assumiu compromissos internacionais que implicam no dever de realizar pesquisa científica e de preservar o meio ambiente antártico e no direito de participar do aproveitamento dos recursos naturais da região e dos mecanismos decisórios do Sistema do Tratado.   Nesse sentido, o Brasil, desde 1982, desenvolve pesquisa científica na Antártica, por intermédio do Programa Antártico Brasileiro (Proantar), justificando seu direito de participação nesses mecanismos decisórios. Consolidando, desta forma, sua presença no seleto grupo de países que regem os destinos de um continente com 14 milhões de quilômetros quadrados, com posição estratégica privilegiada e detentor de riquezas minerais ainda não avaliadas, como jazidas de minerais estratégicos e uma biodiversidade e biomassa sem similar. O Programa Antártico Brasileiro promove, de forma interdisciplinar e interinstitucional, pesquisa nas áreas de Ciências da Terra, Ciências da Atmosfera e Ciências da Vida. As atividades brasileiras na Antártica são desenvolvidas na Estação Antártica Comandante Ferraz, na Baía do Almirantado, Ilha Rei George, em três refúgios localizados nas ilhas Elefante, Nelson e Rei George, e a bordo do Navio de Apoio Oceanográfico Ary Rongel, que substituiu o Barão de Teffé. Esse apoio logístico é prestado pela Marinha do Brasil, Ministério da Defesa. O Programa conta ainda para a realização das Operações Antárticas com vôos de apoio realizados por aeronaves da Força Aérea Brasileira e com a doação de combustíveis pela Petrobras/MME destinados ao funcionamento do navio, das aeronaves e da Estação Antártica Comandante Ferraz. O Programa Antártico Brasileiro é uma das grandes conquistas nacionais. A pesquisa realizada por brasileiros na região antártica tem colocado o Brasil em evidência na comunidade científica internacional, proporcionando condições ao país de participar das discussões sobre o destino daquele continente. Mas, principalmente, tem trazido para o país conhecimentos fundamentais sobre fenômenos naturais que afetam direta ou indiretamente a nossa população e que têm a sua origem nas regiões polares.
Quarta, 02 Maio 2012 18:28

Página da Baía do Almirantado

Secretaria de Biodiversidade e Florestas O Ministério do Meio Ambiente é responsável pelo segmento ambiental do Programa Antártico Brasileiro (PROANTAR) e a Gerência de Biodiversidade  Aquática e Recursos Pesqueiros (GBA) é o ponto focal coordenando o Grupo de Avaliação Ambiental do PROANTAR (GAAm). Por iniciativa do MMA, foi iniciado um projeto ambiental onde foram formadas duas Redes de Pesquisa: a primeira, responsável por investigar os reflexos das alterações ambientais globais percebidas na Antártica, com estudos integrados da atmosfera, do gelo, do solo e do oceano e investigações sobre a variabilidade climática no passado; e a segunda, com o intuito de desenvolver um estudo das condições do meio ambiente da Baía do Almirantado, onde se localiza a Estação Antártica Brasileira Comandante Ferraz, e, a partir deste estudo, estabelecer um programa de monitoramento ambiental para a região. Somam-se ainda o monitoramento de parâmetros físicos, químicos e biológicos que caracterizam o ambiente atual, possibilitando a compreensão e o detalhamento do papel da região como controladora das condições ambientais no Hemisfério Sul. Futuramente, poderão serelaborados e modelados cenários sobre a resposta daquela região às mudanças climáticas, sejam elas naturais ou causadas pelo homem, e as conseqüências para o ambiente e a sociedade brasileira.
Quarta, 02 Maio 2012 16:19

Turismo na Antártica

  O turismo na Antártica começou no final dos anos 50, quando o Chile e a Argentina levaram mais de 500 turistas às Ilhas Shetlands do Sul, mas a atividade somente se estabeleceu em 1966, quando o tema educação ambiental foi incorporado junto com o slogan "Você não pode proteger o que você não conhece". Acreditava-se que vivenciar a Antártica levaria as pessoas a uma consciência ecológica, uma vez que passariam a compreender o papel importante que a Antártica tem no ambiente global. O isolamento físico daquela região, as temperaturas extremas, o clima adverso, e a vida selvagem peculiar são grandes atrativos ao turismo. Apesar do turismo na Antártica ser ainda muito caro, nos últimos 35 anos, várias operadoras se aventuram na região antártica a cada ano. No momento, 35 operadoras de 10 países diferentes atuam na Antártica com navios de turismo. As visitas se concentram nas zonas livres de gelo nos meses entre Novembro e Março. Os visitantes fazem curtas incursões nas regiões costeiras, visitam estações científicas, monumentos históricos e colônias de animais. Dentre as atividades estão incluídas também alpinismo, acampamento e mergulho. Essas atividades são todas supervisionadas pela tripulação do navio, que inclui ornitologistas, biólogos marinhos, geólogos, glaciologistas, historiadores e naturalistas. Todos os cuidados com o ambiente são devidamente tomados. 150 sítios, incluindo 20 estações científicas estão nos roteiros das visitas. Alguns sítios recebem até 7000 visitantes anualmente. Os navios de turismo também transportam pesquisadores que desenvolvem trabalhos científicos. Os benefícios derivados do turismo responsável, como melhor conhecimento e apreciação da importância da região, são enormes. O turismo na Antártica é um exemplo de conduta consciente em ambiente naturais.  
Quarta, 02 Maio 2012 16:18

Sistema Antártico Brasileiro

 O Programa Antártico Brasileiro é um programa interinstitucional sob a responsabilidade da Comissão Interministerial para os Recursos do Mar (CIRM), e cuja execução é assim compartilhada:   Aspectos Ambientais - Ministério do Meio Ambiente;Pesquisa Científica - CNPq / Ministério da Ciência e Tecnologia;  Atividades Operacionais e Logísticas - Marinha do Brasil, Ministério da Defesa; eAspectos Políticos - Ministério das Relações Exteriores. Estão também envolvidas em pesquisa antártica diversas universidades e institutos de pesquisa brasileiros e mais de 220 pesquisadores. Legenda:Comissão Interministerial para os Recursos do Mar (CIRM)Comitê Nacional de Pesquisas Antárticas (Conapa)Comissão Nacional para Assuntos Antárticos (Conantar)Política Nacional para Assuntos Antárticos (Polantar)Programa Antártico Brasileiro (Proantar) A Secretaria da CIRM coordena a Subcomissão para o Proantar, que conta com 3 grupos que a auxiliam em suas deliberações: O Grupo de Avaliação Ambiental do Proantar (GAAm) - coordenado pelo MMA - tem a competência de discutir as ações do Programa decorrentes de compromissos assumidos pelo do País como signatário do Protocolo de Proteção ao Meio Ambiente Antártico. O Grupo avalia as atividades de pesquisa científica operacionais e de apoio logístico, de turismo e quaisquer outras atividades governamentais ou não, de modo a limitar o impacto prejudicial sobre o meio ambiente antártico e os ecossistemas dependentes e associados. O Grupo de Assessoramento (GA) - sob a coordenação do CNPq  - tem como atribuições: promover a revisão periódica do Proantar, em consonância com as diretrizes emanadas da Conantar e da CIRM; avaliar as propostas de pesquisa e de atividades de apoio apresentadas ao Proantar, decidindo pela sua aprovação e seleção para inclusão no Programa; elaborar as propostas orçamentais anuais do segmento científico do Proantar; e fazer o acompanhamento físico, financeiro e técnico-científico da execução dos projetos de pesquisa, em função do seu andamento e dos resultados obtidos. O Grupo de Operações (GO) - sob coordenação da Marinha, - que verifica a exeqüibilidade das propostas selecionadas pelo GA, planeja a operação do navio e vôos de apoio, compatibilizando os interesses científicos com as necessidades de apoio logístico decorrentes.
Quarta, 02 Maio 2012 16:03

Estrutura Logística

  A Estação Antártica Comandante Ferraz (EACF), situada na baía do Almirantado na ilha Rei George, Arquipélago Shetlands do Sul, foi instalada em 1984, conta com 63 módulos, compreendendo laboratórios, oficinas, enfermaria, lavanderia, cozinha, sala de estar, sala de vídeo, biblioteca, sala de informática, camarotes e uma sala de ginástica. A estação pode acomodar 46 pessoas: 24 pesquisadores, 12 funcionários de manutenção e 10 militares da Marinha do Brasil, responsáveis por sua operação. Os refúgios podem abrigar até 6 pesquisadores durante o verão.O NApOc Ary Rongel, adquirido em 1994, pode operar com dois helicópteros de pequeno porte e é dotado de laboratórios para pesquisa e pode acomodar 27 pesquisadores.No dia 25 de fevereiro de 2012 a estação foi destruída por um incêndio.A reconstrução está sob a responsabilidade da Marinha e outras informações em https://www.mar.mil.br/secirm/portugues/proantar.html#reconstrucao   
Quarta, 02 Maio 2012 16:02

Programa Antártico Brasileiro

A Antártica, juntamente com o espaço e os fundos oceânicos, constituem as últimas grandes fronteiras ainda a serem conquistadas pelo homem. O Continente Antártico é o continente dos superlativos. É o mais frio, mais seco, mais alto, mais ventoso, mais remoto, mais desconhecido e o mais preservado de todos os continentes. Apesar da aparente ausência de vida nas áreas emersas da Antártica, as comunidades biológicas marinhas são ricas e diversas. Os organismos que vivem nos fundos marinhos, debaixo do gelo, são únicos, já que apresentam um alto grau de endemismo, ou seja, muitos só ocorrem ali, e possuem uma diversidade que, em alguns locais, pode ser tão alta quanto alguns recifes de coral localizados em regiões tropicais.   A vida na Antártica é, no entanto, muito frágil e susceptível a mudanças globais. Os organismos antárticos são conhecidos por terem crescimento muito lento e impactos ambientais naquela região podem ter conseqüências irreversíveis, uma vez que a comunidade levaria muito tempo para se recuperar. Algumas não se recuperam jamais. Os organismos antárticos têm também uma tolerância muito baixa a alterações na temperatura, sendo vulneráveis ao aquecimento global. Apesar do ecossistema antártico ter sofrido perturbações ambientais no passado, provocadas pela pesca comercial e caça a baleias e focas, atualmente o ecossistema e a biota terrestre da Antártica são as estruturas menos modificadas, sob o ponto de vista ambiental, de toda a superfície da Terra. Felizmente, a Antártica possui ainda seus valores naturais preservados e os impactos naturais causam mais danos que os decorrentes de atividades humanas. Por ser um laboratório natural único, a Antártica tem importância científica incontestável e o conhecimento de suas características e dos fenômenos naturais lá ocorrentes pode esclarecer questões de importância regional como a viabilidade de exploração econômica sustentável dos recursos vivos marinhos ou de relevância global, a exemplo das mudanças climáticas, já que é um dos principais controladores do sistema climático global. A grandiosidade e vastidão do continente antártico, seus valores naturais e agrestes, praticamente intocados pelo homem, por si só constituem um preciosíssimo patrimônio de toda a humanidade, que cabe preservar. Convencidos dessa necessidade, a Antártica foi designada como reserva natural, consagrada à paz e à ciência, pelo Protocolo de Madri (Protocolo ao Tratado da Antártica) que dispõe sobre a proteção ao meio ambiente da Antártica. Ficou assegurado assim que a Antártica seja para sempre exclusivamente utilizada para fins pacíficos e não se converta em cenário ou em objeto de discórdia internacional. Por ser o órgão responsável pelas políticas e diretrizes de conservação ambiental, coube ao Ministério do Meio Ambiente a atribuição de coordenar o Grupo de Avaliação Ambiental do Proantar, encarregado de avaliar o impacto das atividades brasileiras no ambiente antártico, garantindo ao País o cumprimento das diretrizes estabelecidas no Protocolo de Madri. O Protocolo de Madri estabeleceu diversos procedimentos a serem seguidos na execução de pesquisas científicas e no apoio logístico às estações antárticas, visando a proteção da flora e fauna da região. Impõe, também, rigorosas regras e limitações à eliminação de resíduos e medidas preventivas contra a poluição marinha. Requer ainda, a aplicação de procedimentos para a avaliação do impacto ambiental das atividades desenvolvidas na região, inclusive aquelas não-governamentais. As atividades a serem realizadas na área do Tratado da Antártica deverão ser planejadas e executadas de forma a limitar os impactos negativos sobre o meio ambiente antártico e os ecossistemas dependentes e associados. Deve ser preservado o valor intrínseco da Antártica, inclusive suas qualidades estéticas, seu estado natural e seu valor como área destinada à pesquisa científica, especialmente à pesquisa essencial à compreensão do meio ambiente global. O Brasil tem adaptado suas atividades às regulamentações do Protocolo de Madri, estando na vanguarda dos fatos, pelo exemplar manejo ambiental na Estação Antártica Comandante Ferraz, que inclui o tratamento de dejetos e a retirada de todo o lixo produzido, e por ter apresentado, em conjunto com a Polônia, a proposta que considera a Baía do Almirantado, onde se localiza a Estação, a primeira Área Antártica Especialmente Gerenciada (AAEG). O propósito da AAEG é assegurar o planejamento e coordenação das atividades em uma área especifica, reduzindo possíveis interferências e promovendo a cooperação entre as Partes Consultivas do Tratado da Antártica, minimizando o impacto ambiental. Estrutura Logística MMA na Antártica Página da Baía do Almirantado Segmento Ambiental do Proantar Sistema Antártico Brasileiro Turismo na Antártica
Quarta, 02 Maio 2012 15:58

Biodiversidade Aquática

Biodiversidade Aquática ... é um termo abrangente que considera tanto o conjunto dos ecossistemas aquáticos continentais, costeiros e marinhos como os seres vivos que vivem ou passam parte de seu ciclo biológico nestes ambientes. Parte destes organismos vivos, como peixes, moluscos, crustáceos e algas é considerado como " recurso pesqueiro" uma vez em  que são alvo da atividade pesqueira. Embora a distribuição geográfica dos ambientes aquáticos não seja uniforme, eles estão presentes em todos os biomas brasileiros. Além disso, são diversos os interesses pelo uso da biodiversidade aquática ou dos recursos hídricos, cuja quantidade e qualidade são fundamentais para a manutenção da dinâmica destes ecossistemas. A água é a base da vida conferindo um valor intrínseco aos ambientes aquáticos. Assim, as diretrizes, ações e políticas devem ser transversais não apenas geograficamente , mas setorialmente. Dentre as ações em execução, destacam-se aquelas de coordenação da implementação da Convenção de Zonas Úmidas de Importância Internacional - Convenção de Ramsar; a de atualização da Áreas Prioritárias para a Conservação da Zona Costeira e Marinha, as de conservação de espécies ameaçadas de extinção, o controle de espécies exóticas e as ações integradas de conservação e uso sustentável dos recursos pesqueiros. Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Biodiversidade - SBioDepartamento de Conservação e Manejo de Espécies  Esplanada dos Ministérios, Bloco B, 8º andar,  Brasília/DF - CEP:70068-900 Telefone: (61) 2028-2132 E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. document.getElementById('cloak3ec95f11d6a4e422a1f28bb2ae1e7fde').innerHTML = ''; var prefix = 'ma' + 'il' + 'to'; var path = 'hr' + 'ef' + '='; var addy3ec95f11d6a4e422a1f28bb2ae1e7fde = 'desp' + '@'; addy3ec95f11d6a4e422a1f28bb2ae1e7fde = addy3ec95f11d6a4e422a1f28bb2ae1e7fde + 'mma' + '.' + 'gov' + '.' + 'br'; var addy_text3ec95f11d6a4e422a1f28bb2ae1e7fde = 'desp' + '@' + 'mma' + '.' + 'gov' + '.' + 'br';document.getElementById('cloak3ec95f11d6a4e422a1f28bb2ae1e7fde').innerHTML += ''+addy_text3ec95f11d6a4e422a1f28bb2ae1e7fde+''; Departamento de Conservação de EcossistemasEsplanada dos Ministérios, Bloco B, 8º andar,  Brasília/DF - CEP:70068-900Telefones: (61) 2028-2028/2194/2637/2292E-mail: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. document.getElementById('cloakc073bbbf93ec341dc74d4f170440b3b4').innerHTML = ''; var prefix = 'ma' + 'il' + 'to'; var path = 'hr' + 'ef' + '='; var addyc073bbbf93ec341dc74d4f170440b3b4 = 'deco' + '@'; addyc073bbbf93ec341dc74d4f170440b3b4 = addyc073bbbf93ec341dc74d4f170440b3b4 + 'mma' + '.' + 'gov' + '.' + 'br'; var addy_textc073bbbf93ec341dc74d4f170440b3b4 = 'deco' + '@' + 'mma' + '.' + 'gov' + '.' + 'br';document.getElementById('cloakc073bbbf93ec341dc74d4f170440b3b4').innerHTML += ''+addy_textc073bbbf93ec341dc74d4f170440b3b4+''; /Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo. document.getElementById('cloakd4327b0dbb62db2f4cec39bd3fe23eab').innerHTML = ''; var prefix = 'ma' + 'il' + 'to'; var path = 'hr' + 'ef' + '='; var addyd4327b0dbb62db2f4cec39bd3fe23eab = 'cnzu' + '@'; addyd4327b0dbb62db2f4cec39bd3fe23eab = addyd4327b0dbb62db2f4cec39bd3fe23eab + 'mma' + '.' + 'gov' + '.' + 'br'; var addy_textd4327b0dbb62db2f4cec39bd3fe23eab = 'cnzu' + '@' + 'mma' + '.' + 'gov' + '.' + 'br';document.getElementById('cloakd4327b0dbb62db2f4cec39bd3fe23eab').innerHTML += ''+addy_textd4327b0dbb62db2f4cec39bd3fe23eab+'';
Página 4 de 4
Fim do conteúdo da página